Aprovada Greve Geral, posição do Sindefer

Posição do Sindefer na reunião, de hoje, do Secretariado Nacional da UGT, onde foi aprovada por esmagadora maioria e aclamação a Greve Geral, no dia 27 de Junho, com 1 voto contra e 4 abstenções!

Caros amigos,

Há uma pergunta que gostaria de por a cada um de vocês:

Quem apoia o actual Governo em Portugal?

Boa parte do PPD/PSD está contra! Aliás partem de militantes históricos os maiores ataques a este Governo, ataques que inclusive põem em causa se o governo tem espírito democrático se o governo não tem uma Agenda Politica que atenta contra a Democracia.

O CDS e Paulo Portas às segundas, quartas e sextas estão com o governo, às terças e quintas dizem que não, aos Sábados e Domingos procuram a equidistância que lhes permita uma aproximação ao PS num futuro governo.

Este Governo elegeu o Tribunal Constitucional como o seu principal inimigo, Tribunal Constitucional que foi e é, neste momento, o ultimo recurso contra os ataques que diariamente são feitos aos nossos direitos.

Sem o Tribunal constitucional estaríamos ainda pior do que estamos!

Este Governo conta com o apoio de um Presidente da República que, pela primeira vez na história recente, tem um índice de popularidade negativo e é enxovalhado pela sociedade civil.

Este Governo conta com o apoio até ver da Banca, os responsáveis iniciais da crise.

Este Governo conta com a Troika, com o FMI, e a Senhora Merkel, tal como o governo da Grécia, para ir mais longe do que o Memorando negociado com o anterior Governo, que perdeu as Eleições por causa disso, memorando alterado, sete, digo sete vezes, sempre para pior, porque o verdadeiro programa do Governo é o memorando da Troika!

Este Governo que manda imigrar os nossos filhos, que corta as Reformas aos nossos pais, quer agora despedir milhares de trabalhadores, na função pública, chamando aos “despedimentos selvagens” o eufemismo de “requalificação profissional”. O Estado passa a ser um gigantesco campo de concentração onde se permanece doze meses na antecâmara do Despedimento e depois vem a sentença: o Despedimento! e quanto mais velho se é menos se recebe de indemnização, enquanto se taxa o fundo de desemprego em 6% a menos.

Dialogante o Governo avisa, desde Vila Real, terra natal do primeiro-ministro, cujo Pai gostaria que ele se Demitisse, o Governo não vai esperar indefinidamente pelo acordo, leia-se pelo acordo para despedir, para baixar o valor das reformas, aumentar o horário de trabalho e a idade da reforma. O governo pensa que ainda tem, ao seu dispor, uma Central para “legitimar” as malfeitorias em sede de “concertação social”.

Este Governo, apesar de toda a austeridade que impôs ao país, em que mais de um milhão de portugueses não tem emprego e a emigração está a regressar ao nível dos anos 60, com uma diferença, quem agora sai são os nossos melhores quadros, são os nossos jovens, a geração mais bem formada de sempre, este Governo, apesar de tudo isto, piorou todos os Indicadores Económicos, ou seja, devemos cada vez mais aos nossos credores e produzimos cada vez menos. Caminhamos para o abismo!

Pergunto:

Vamos aceitar caminhar para o abismo?

Ou vamos exigir que quem nos está a manter na rota do abismo se deve ir embora?

A Greve Geral do dia 27 tem todo o sentido, como também tem todo o sentido pedir a Demissão do Governo!

Não acredito que nenhum dirigente sindical, presente nesta sala, queira fazer parte da pequena corte que ainda apoia este Governo. Não basta ser sério, como a mulher de César é preciso parece-lo, sobretudo quando o passado recente foi o que foi.

Voltar atrás