Comunicado do Sindefer

SIM! DIA 25 DE MAIO PODE HAVER UMA BOA JORNADA DE LUTA

Não se pode propor sempre as mesmas lutas esperando que elas produzam resultados diferentes. Há no movimento sindical e na sociedade portuguesa um bloqueio que impede qualquer alternativa séria.

Do lado da CGTP a fidelidade à estratégia política do PCP que se traduz na multiplicação de manifestações e greves com dia e hora marcada, que agitam o pessoal é certo, mas com os resultados conhecidos logo à partida. É tudo metódico e aparelhisticamente controlado, as “pontes” com outras organizações são meramente circunstanciais.

Do lado da UGT é o PSD que controla a central, embora liderada por um socialista de discurso oco, o que significa disponibilidade, mil vezes repetida, para assinar acordos com Passos Coelho ou, no mínimo, a não hostilizar o governo, o que levou, nos últimos anos, a uma acentuada descredibilização da Central e dos seus Sindicatos, e a um nível de dirigentes sindicais cada vez mais medíocres, alguns autênticos extremistas de direita.

Tudo isto acresce a um erro histórico colossal quando, em 2011, a parte maioritária do movimento sindical (CGTP e Sindicatos Independentes) coniventes com o PCP e o BE, alinharam com a Direita e o PR, para derrubarem o governo de Sócrates, em nome de que a austeridade era demasiada. Os resultados de tão brilhante estratégia estão à vista!

Por mau que o governo de Sócrates fosse, a existência de uma maioria parlamentar de esquerda, na AR, jamais devia ter sido posta em causa, pela própria esquerda. Este erro colossal continua a não ser assumido pelos seus responsáveis que, numa fuga para a frente, propõem sempre o mesmo tipo de ações, apesar de constatarem que, em cada nova ação, vão perdendo apoio, apesar dos trabalhadores estarem cada vez mais precários, cada vez mais pobres, e o desemprego real ser superior a um milhão de pessoas.

Todos temos a obrigação de perceber que a questão fundamental com que os Portugueses estão confrontados é a questão de quem é Poder e o da maioria que governa. Defendemos que uma AR com uma maioria do PS+PCP+BE não é a mesma coisa que uma AR com maioria do PSD+CDS!

Numa maioria à esquerda todos entendem, ou deviam entender, que o partido maioritário deve ter mais poderes de “governar” que os partidos minoritários, ora quando estes querem impor a sua visão do mundo como fundamental para irem para o governo, permitem que o maioritário se aproveita disso para nada ceder. É este impasse, na esquerda, que garante a sobrevivência do atual governo e, por conseguinte, os ataques que fazem aos trabalhadores.

Nestas circunstâncias, enquanto organização sindical que somos, consideramos que os Trabalhadores podem fazer uma grande jornada de luta em 25 de Maio, dia das Eleições para o Parlamento Europeu. Votando contra o PSD e o CDS, preparando a cama ao Governo nas Eleições Legislativas.

Esta “jornada de luta” terá, se os portugueses quiserem, se não se absterem do seu futuro, mais resultados a curto e a médio prazo, que a receita do costume. Há que aprender com os erros.

10 de Abril de 2014
O Secretariado Nacional do Sindefer
Voltar atrás