Como se distribuiu generosamente dinheiro público

Foi assinado com a Via Metro/Barraqueiro, por um período de dois anos, o contrato de operação e manutenção do Metro do Porto pelo valor de 35,1 milhões de euros ano.

Em 2015 o governo da Direita, através de Sérgio Monteiro, impôs a redução brutal do custo da manutenção da frota, passando dos mais de 10 milhões de euros para cerca de 4 milhões. A multinacional Bombardier, a grande beneficiária das verbas envolvidas, afasta-se do consórcio com a EMEF que, por ajuste directo, fica com a responsabilidade da manutenção da frota e passa a ter prejuízo para, no futuro, poder manter lucro a um novo concessionário privado.

Pela Operação, o concessionário Via Porto/Barraqueiro, recebia 36,5 milhões de euros anos e, agora, até que o novo concurso público esteja concluído, passa a receber 35,1 milhões de euros ficando também com o encargo da manutenção da frota, ou seja, o lucro que tinha deu para encaixar a manutenção no seu novo valor de 5,8 milhões de euros.

Basta fazer contas para se perceber que a MdP andou, desde 2002, a distribuir generosamente dinheiros públicos a favor de privados. A EMEF, que não se pode queixar da forma como foi tratada no passado, é, agora, a prejudicada e fica com problemas significativos para resolver!

Se, no futuro próximo, tiver uma administração capaz pode eventualmente controlar os prejuízos actuais em dois ou três anos e acabar por ganhar algum dinheiro no futuro. Para isso necessita de resistir a quem apenas paga "linha branca" mas exige produto de marca, o que não é fácil, sobretudo, quando falta a convicção para resistir e se opta por ser pau-mandado. Só que a Empresa joga muito da sua credibilidade e da sua viabilidade neste mau negócio!!!

Nota final
Bem podem os autarcas, que ao longo destes anos estiveram na gestão da MdP, limpar as mãos à parede. Deu para compreender melhor o fugir dos mesmos à análise das consequências das decisões do anterior governo...

Mais aqui
Voltar atrás