SINDEFER

Sindicato Nacional Democrático da Ferrovia

Acordos EmpresaBreve HistorialEstatutosHistóricoContactos

 

 
CP\Greve dividiu não uniu. Os factos...

A recente Greve sobre hipótese futura de Agente único em Companhias Privadas, mercê de Leis Comunitárias, dividiu os sindicatos e, pior que isso, colocou trabalhadores contra trabalhadores.

Cenas de agressões e insultos entre trabalhadores, ainda ontem, em rescaldo da Greve, Santa Apolónia foi palco de mais uma agressão, e tentativas de parar o material circulante com recurso a meios que colocam em risco a segurança da circulação, não contribuem em nada para a resolução do problema, pelo contrário só o agravam.

Porque dizemos que o Agente Único não tem a dimensão que alguns lhe querem dar:

1- O atraso tecnológico na CP impede, mesmo que a Empresa quisesse, e não quer, conforme o reafirmou em comunicado, que a medida fosse adaptada na Empresa Pública, única onde o Governo pode intervir, a este nível, caso fosse necessário.

2 - O Agente único em mercadorias é uma possibilidade aceite, pelos sindicatos, em AE.

3 - O Agente único é praticado na Fertagus há 19 anos, em excepção de algumas estações em que o atraso tecnológico da Infraestrutura não o permite e não necessitou de qualquer Acordo com os sindicatos.

4 - Constata-se, assim, que o atraso tecnológico, quer em comboios, quer em Infraestruturas, impedem o Agente único mesmo que a vontade fosse essa.

5 - Há ainda um AE que o permite e uma Empresa Privada que o pratica, sempre que tecnicamente possível e nunca precisou de Acordo.

6 - Perante estes factos fazer do Agente único na CP, CP que já disse que não quer Agente único, uma grandiosa luta sindical é, no mínimo, estranho, para não dizer outra coisa.

7 - Mais estranho ainda quando a CP tem, isso sim, uma forte probabilidade de vir a ter trabalhadores das carreiras envolvidas, na questão Agente único, parados por imobilização excessiva de material circulante devido à incapacidade da EMEF, por falta de pessoal, fazer a manutenção dos comboios.

8 - Se há motivo de forte preocupação para o futuro da CP é a situação da EMEF, aí sim, toda a pressão deveria ser feita.
Voltar atrás