SINDEFER

Sindicato Nacional Democrático da Ferrovia

Acordos EmpresaBreve HistorialEstatutosHistóricoContactos

 

 
Grupo IP - Carta Aberta aos Trabalhadores


Caros Associados e Trabalhadores em geral, agradecemos a sua leitura.

CARTA ABERTA AOS TRABALHADORES DO GRUPO IP

Caros colegas, um grupo de sindicatos que representam a maioria dos trabalhadores sindicalizados da IP decretaram greve entre os dias 18 e 30 de novembro 2022.
Existem inúmeras razões para lutar contra a perda do poder de compra provocado pela subida abrupta do valor da inflação por motivos externos que são do conhecimento geral. Além desses motivos existem outros de carácter interno, igualmente importantes. Os sindicatos que conjuntamente decidiram lutar, reivindicaram junto da IP o pagamento de um prémio e o aumento do subsídio de refeição de forma a diminuir o impacto da inflação no rendimento de cada um e assim atenuar a perda do poder de compra que se faz sentir em 2022.
A IP recusou as reivindicações dos sindicatos, argumentando que tinha chegado a acordo com um significativo número de sindicatos em janeiro e que não tinha mais verba para valorizar os trabalhadores. Ora, a resposta é dada dias depois de ela própria conjuntamente com a tutela terem decidido aumentar em 85 euros por mês um grupo de trabalhadores.
Não estamos contra a atribuição desse aumento, pelo contrário, pretendemos é que seja abrangente a todos. É clarividente que a IP e tutela tinham plafond suficiente para valorizar todos os trabalhadores. Todos nós sabemos que a IP apresentou lucro de 32,4 milhões no 1.º semestre, que o estado vem arrecadando receitas extraordinárias provenientes do acréscimo dos impostos motivadas pelo aumento da inflação, portanto, dinheiro, não falta.
Porque todos somos essenciais, porque a IP não funciona apenas com um determinado grupo de trabalhadores e porque deixaram de parte cerca de outros 3500, há uma enorme discriminação promovida por este C.A e pela tutela.
A empresa e a Tutela ao negociarem sem a participação de todos os sindicatos feriram o Acordo Coletivo de Trabalho e desrespeitaram as restantes organizações sindicais, mormente as que acordaram o aumento de 2022 e todos os que são representados por estas ou que não são sindicalizados.
A IP alterou unilateralmente a relação com os seus trabalhadores, desrespeitando-os, desconsiderando-os, criando uma nova ordem, que pode trazer desordem. A Tutela todos os dias apregoa, na comunicação social, ser defensora da contratação coletiva, contudo, vem ela mesmo, com os procedimentos recentes, tratar de se contrariar.
A discriminação entre trabalhadores não é novidade, a administração não só mantém as assimetrias como ainda as fomenta ao distribuir dinheiro por uns e ignorando os outros que são a maioria.
Em vez de premiar alguns, questionamos, porque não harmoniza a IP as regras retributivas e laborais dos seus trabalhadores?
Nomeadamente:
• A integração dos QPT`s no ACT;
• A atribuição de concessões de viagem;
• A atribuição de Isenção de Horário de Trabalho a quem dela necessita;
• O abono por irregularidade de horário ser integrado no conceito de retribuição;
• Os repousos passarem a ser de 12 horas;
• Todos os que trabalham por escalas terem 3 fins-de-semana seguidos;
• As Guardas de Passagem de Nível serem integradas no regime de escalas de serviço e serem pagas com o estipulado por esse regime;
• As ajudas de custo serem pagas com o mesmo valor das deslocações, e com o subsídio de refeição a ser pago fora da ajuda de custo;
• A antiguidade dos trabalhadores oriundos da E.P. ser considerada para a atribuição das diuturnidades;
• O subsídio de refeição ser igual para todos;
• O pagamento do prémio de produtividade/exploração anual e diário;
• O pagamento do trabalho em dia de descanso semanal;
• A integração dos trabalhadores das telecomunicações na carreira das infraestruturas;
• O reconhecimento da especialização de algumas equipas, como são exemplos as equipas de túneis, do mergulho ou do centro de limpeza de neve.
IP e tutela reconhecem estas assimetrias, à exceção dos QPT`s, que a IP assume não querer a sua integração no ACT, ao contrário do manifestado pelo Sr. Ministro das Infraestruturas e Habitação. DEVIAM TER VERGONHA. As demais são assumidas, a desculpa é a mesma de sempre, não há verba financeira para proceder à harmonização. Então de onde veio este dinheiro, atribuído aos trabalhadores dos CCO`s?
Temos um novo presidente, que ainda não conhecemos, não se apresentou nem aos trabalhadores, nem aos seus representantes. Talvez venha do novo presidente a atitude anti sindicatos/anti trabalhadores.
A empresa num tom bafiento, que tresanda a estado novo, fez ultimatos aos sindicatos num claro desrespeito da lei da greve. Este comportamento jamais foi praticado na IP, bem como, nas suas antecessoras REFER, CP e E.P.
Companheiros sindicalizados e não sindicalizados, não podemos continuar a ser espezinhados, a adesão a esta greve é crucial, se pela nossa força, não vergarmos agora esta arrogância, esta diferenciação, esta desconsideração e intimidação, não estaremos somente a hipotecar o nosso futuro próximo, mas também o futuro dos que nos sucederão dentro da IP.
Companheiros de trabalho, os vossos problemas são os nossos problemas, para o bem e para o mal haverá um antes e um depois desta greve. Cabe a nós, e só a nós, decidir o nosso futuro enquanto trabalhadores da IP. Se decidirmos pela paralisação prevista e anunciada, demonstraremos a nossa força e a empresa será “forçada” a negociar e a repor rapidamente o que perdemos com o aumento da inflação. Se formos frouxos na luta, ficaremos subjugados e muito mais teremos a perder.
Esta greve foi pensada para que com esforço de todos, mas com custos reduzidos para os trabalhadores, provocar grande impacto na atividade da empresa, apesar de existirem trabalhadores que duvidem da eficácia desta greve, apenas e só nela participando perceberemos a longitude do seu alcance, sendo certo que com união, todos venceremos!
Somos todos, convidados a cumprir a preceito o pré-aviso, para no final da luta termos o resultado esperado.
A empresa teme e treme pelo sucesso desta luta, razão pela qual está a tentar intimidar e coagir os trabalhadores! Não se deixem enganar! Contamos convosco e com a vossa força!
Está na hora, é preciso dar um murro na mesa e dizer basta! Chegou a hora de lutarmos pelo que é nosso!
Vamos dizer não ao empobrecimento! Vamos dizer basta à discriminação! Vamos mostrar que unidos somos fortes e que não é com intimidações e coações que nos vergam.
Para que esta mensagem seja amplamente difundida, solicitamos aos nossos associados, que reencaminhem este email a todos os trabalhadores da IP, e que, quem o receba volte a difundi-lo pelo mesmo meio, e assim sucessivamente para que ninguém fique alheio à importância desta greve e nela participe.
Neste momento, difícil para todos, contámos convosco! Sem medo, vamos à luta!

ASCEF – FNTCOP – SINFB – SINFA – SINDEFER - SIOFA
Voltar atrás